Build versus buy: quando o preço abre a discussão sobre 'construir x comprar'

A decisão de ‘Construir x Comprar’ (Build versus Buy) passa pela cabeça de muitos CEOs e gerentes quando precisam contratar softwares e serviços. Isso inclui, por exemplo, ferramentas e agências de marketing.

 
build-versus-buy.jpg

Quando você busca uma solução para o seu negócio, você pode cair em um dilema: construir ou comprar?

Dependendo o valor da solução que você pretende comprar, você pode decidir por construí-la, em vez de comprá-la.

Por exemplo:

  • em vez de você contratar uma agência, você pode decidir por construir uma equipe interna para fazer o mesmo serviço, contratando uma consultoria para realizar o treinamento da equipe interna.

  • em vez de contratar um software completo que tem recursos de marketing e vendas, você decide contratar 2 ferramentas separadas e construir um Frankenstein, usando uma ferramenta intermediária, como Zapier, para “jogar” os dados de um lado para outro, mantendo os ambientes sincronizados.

Entretanto, se o seu budget (orçamento) é limitado, ou você não tem uma experiência técnica, ou a tecnologia não será uma vantagem competitiva no que você pretende resolver, encontrar uma solução pronta pode ser o melhor caminho.

Para quem oferece soluções para empresas, é preciso definir o valor (preço) nessa linha tênue do “build versus buy” (construir x comprar). Se o valor ultrapassar o limite do cliente, pesará a decisão dele em buscar construir uma solução, em vez de comprar o seu produto ou serviço. É importante que você entenda como o tipo do cliente pode impactar no seu processo de precificação.

Outros fatores que influenciam na decisão das empresas construirem uma solução, em vez de comprar algo pronto:

  • vantagem competitiva desenvolvendo inteligência para seu próprio uso interno;

  • flexibilidade de integração e compatibilidade com os sistemas internos existentes.

Em um universo de Enterprise (grandes empresas), quando falamos de “construir x comprar”, estamos falando de um nível acima, em que uma grande empresa compra a empresa menor que já construiu uma solução. Um exemplo disso são os bancos que estão comprando fintechs (startups de tecnologia no setor financeiro), sejam porque elas estão incomodando ou porque conseguirem responder mais rápido as mudanças do mercado.

 
 
 
VendasAngelo Públio